6.9.17

Em 20 anos tu casaste, tiveste dois filhos, nunca foste feliz. Eu corri o mundo, tive vários trabalhos, encontrei uma vocação, escolhi o meu lugar, vivi em três países diferentes, viajei para sítios impossíveis, conheci pessoas, conheci-me a mim, apaixonei-me, partiram-me o coração, sobrevivi, experimentei, desisti, retomei o caminho, mantive-me fiel a mim, berrei, fui chata, dei murros na mesa, fugi, mudei e vida, voltei, perdi rotinas, ganhei outras... vivi, mas também nunca fui realmente feliz. Hoje soube que ainda me vês como modelo... ou meta. Hoje soube que descruzar-nos te partiu o coração e que não o conseguiste reconstruir. Apesar do casamento. E dos filhos. E da vida que te roubou a alma. Hoje tive pena. E senti culpa. Culpa de não te ter obrigado a pisar-me os passos. Culpa de tentar descobrir o mundo sem o teu regaço. Culpa de ter ousado viver sem ti. Culpa de o ter conseguido fazer. Culpa de ter contribuído para que nenhum de nós tivesse realmente encontrado o seu lugar. O tempo fica mais curto todos os dias. Chama-me e eu vou. Mas chama-me primeiro...

4 comentários:

Ana A. disse...

Foda-se X! Assim com as letras todas...
Tanto tempo e energia desperdiçados a tentarmos viver e ser felizes quando no fundo é tudo sempre tão simples. Porque raio gostamos nós de complicar tanto a nossa própria vida?
E porque é tão importante que seja ele a chamar-te primeiro?

x disse...

porque não me sinto no direito de interferir em vidas que não são minhas...

Anónimo disse...

Lindo texto. E como podia, se me corresse nas veias a arte da escrita, ter sido escrito por mim...



(vão ficar juntos - sussurrou-me o Universo)

Ana A. disse...

Percebo isso.