15.4.16

X tem-se confrontado com a consciência da finitude. Da morte. Da insignificância de cá. X tem tido dilemas sérios com a vontade de ser mais aqui e a noção que ser mais aqui vale de pouco. X tem lutado internamente com a crueldade do tempo. Com a rudeza das coisas. Com o nada que somos. X tem vindo a concluir que nada pode fazer contra o curso do mundo. E isso não traz tranquilidade nenhuma. Os clichês de algum modo ajudam. Mas esses são só isso, clichês. A vida e bonita. Mas é sempre curta. X quer tanto. X tem tanto que ainda não fez. E o tempo passa. E mata de dia para dia mais um bocadinho de vontade. Ainda assim, x não tem tido razões para queixumes. Nem para arrependimentos. X tem tido uma vida boa. Agora só precisa de risos infantis a encher-lhe o peito. E a casa.

2 comentários:

Ana A. disse...

X, se quiseres tenho aqui um riso de 1 mês que te empresto!

lápis roído disse...

X sabe que não ficará por cá para sempre e X quer ter a certeza que os seus bons genes vão cá continuar, pelo menos, por mais uma geração. É isto, não é? E X podia tê-los com mais de 15 anos, mas agora quer daqueles que só têm idade para usar fraldas e emitir sons.